terça-feira, 29 de setembro de 2009

O dia a "viver" o treino


Sinto-me bastante entusiasmado com esta nova faceta na minha vida e praticamente durante o dia, vivo para o treino que ocorrerá no final da tarde. Não vou negar que o facto de estar desempregado (o mal de muitos portugueses), me dá tempo para pensar em todos os pormenores. Gosto de pensar o meu treino, perceber os objectivos que quero que sejam concretizados, realizo os exercícios que quero colocar em prática na maneira de jogar da minha equipa, tento pensar no equilíbrio da equipa em jogos de posição, posse de bola e outros que tais, tento antever o tempo para cada exercício para que o treino possa ser bem esprimido, quantos cones são precisos e em que zonas, coletes, água, no fundo, preocupo-me com todos os detalhes inerentes à actividade e ninguém me pode acusar de falta de preparação do treino em si. Gosto de ter tudo à minha medida e imagem e preocupo-me sempre em organizar bem o meu treino. Por norma, temos apenas uma hora de treino o que me complica um pouco as coisas, e uma hora sempre antes do treino, já estou no campo onde previamente sei que vou treinar, a organizar o treino, ora colocando cones, ora distribuíndo bolas em sítios fulcrais, é no momento um mundo à parte. Estou a começar a minha "carreira", gostaria muito de fazer disto a minha vida profissional visto adorar o que faço e sentir que tenho capacidades para evoluir e aprender cada vez mais, daí a imagem em cima: degrau a degrau até tentar chegar ao topo. Não sei se vou conseguir, mas vou lutar por isso. Tenho que ter sempre confiança nas minhas capacidades, ninguém a terá por mim. Qualquer treinador que esteja a ler isto, certamente rever-se-á nas minhas palavras: a paixão pelo treino, pelo "nosso" treino está lá e ninguém nos tira. Logo, jogo-treino, novamente frente às escolas B. Um bom treino para preparar a equipa para a partida de sábado e continuar a adoptar os automatismos que os miúdos precisam nestas idades para se adaptarem bem à forma de jogar da equipa.

segunda-feira, 28 de setembro de 2009

Forma original de motivação de uma equipa

Sigam por aqui. Está fantástico. É a prova como muitas vezes são as palavras e os discursos que "ganham" jogos.

domingo, 27 de setembro de 2009

Sobre o clássico de ontem



Penso que foi um jogo muito bem disputado. O resultado aceita-se, apesar de um empate também não ficar mal na fotografia. Duas equipas fiéis aos seus modelos de jogo, uma primando pela forte capacidade ao nível das transições rápidas, outra procurando ser fiel ao seu jogo baseado em ataque posicional e maior controlo na posse de bola. Creio que as duas equipas têm valias diferentes. O Porto, achando eu que tem uma equipa menos capaz que nas temporadas passadas, tem autênticos esteios de qualidade em posições fulcrais; o Sporting pelo contrário, assente no seu losango, onde os seus laterais desempenham papel importante nos movimentos ofensivos, não tem a qualidade que deveria ter. Aliás, a equipa leonina, que em tempos era considerada fortíssima a nível defensivo, tem agora a sua organização mais recuada como principal lacuna. Dos quatro que compunham o seu sistema defensivo, só Daniel Carriço imprime qualidade e segurança à equipa. Foram duas equipas muito longe do que já mostraram, embora neste tipo de jogos, o detalhe seja importante. Das duas equipas destaco Falcão, ponta de lança nato e óptimo finalizador, Álvaro Pereira, excelente lateral esquerdo, Fernando, que cresceu bastante neste último ano e Hulk que é de facto, um jogador com uma potência física de assinalar e que, dando-lhe espaço, é muito complicado pará-lo. Do lado do Sporting, Rui Patrício esteve muito bem, João Moutinho e Miguel Veloso mantiveram o nível que lhes é reconhecido. Polga precisa de banco, Caicedo não é solução (10 milhões?), Postiga aqui e ali razoável mas inconsequente e Yannick fez o melhor jogo nos últimos tempos pelo Sporting (ironia). Não vou falar da arbitragem. Acho que este ano, o campeonato terá tons de vermelho ou azul. A ver vamos.

Nota: Sou Sportinguista, ainda não o tinha dito.

sexta-feira, 25 de setembro de 2009

A complexidade dos exercícios no treino


É uma dificuldade para todos os treinadores de futebol formação sentir se um exercício que têm em mente para apresentar aos miúdos com o intuito de eles executarem, vai recolher a compreensão e o entendimento do mesmo por parte deles. Um exercício pode ser muito bom, podemos ter a ideia que será fácil, mas chegamos ao treino e pura e simplesmente é complicado os miúdos perceberem e demoramos mais tempo na explicação. Não quero estar a criticar ninguém, mas como me referiram e bem, o trabalho de base não passou por estes miúdos, daí que por vezes o nosso papel seja complicado. Ontem decidi começar a dificultar as coisas: o treino incidiu na sua parte inicial sobretudo na qualidade do passe, da recepção, da tabela e da desmarcação. Porquê? Porque quero que a minha equipa jogue bem, é nisso que trabalho. Procuro que a minha equipa jogue bem sem me preocupar com o resultado, pois isso será consequência do nosso trabalho. Nesse pressuposto, tento realizar exercícios com os quais me identifico e que procurem dar aos miúdos, uma identidade que eles depois possam transportar para o jogo, porque convenhamos, falar de tácticas e tudo o que daí advém neste escalão, no seu início é complicado, por isso tentamos dar um toque de facilidade ao nosso jogo com exercícios que os miúdos possam melhorar as suas habilidades, como o passe, a recepção, a condução, a desmarcação, os duelos 1x1, 2x2, 2x1, 2x2, etc, etc. No fim, enquanto outros miúdos estavam com o meu adjunto num exercício de posse de bola e ataque rápido ao alvo após sinal do treinador, outros estavam comigo. Tentei fazer um exercício de posse de bola com três equipas de três jogadores, sendo que uma estava no meio, fazendo sempre uma espécie de 6x3. Vi o quão foi complicado, mas foi proveitoso porque obriga os miúdos a pensarem, a terem que comunicar, a terem que se concentrar, que é algo importante no jogo e que também se trabalha. Mas, para um treinador de formação, não é fácil sentir que o que têm em mente para o treino vai resultar. Mas, há que experimentar. O caminho faz-se caminhando. Descanso para todos: treino só segunda feira.

quarta-feira, 23 de setembro de 2009

O treino de ontem

Serviu essencialmente para fazermos um jogo-treino frente aos Escolas B e para eu ter a oportunidade de observar alguns jogadores que actuaram menos tempo na partida frente ao Vilamaiorense. Serviu também para poder testar, por alguns minutos, um sistema com dois avançados 1x3x2. Correu bem, foi um excelente treino e gostei de assistir uma vez mais a uma boa demonstração de atitude dos miúdos. Vencemos mas isso não era o mais importante. Creio que eu e o treinador das escolas B retiramos ilações positivas, mas há uma que ressalta à vista: os miúdos gostam de jogar à bola e empregam grande atitude dentro de campo. Temos que trabalhar ainda para podermos retirar algum entusiasmo reinante, que os impede depois de terem um correcto posicionamento em campo e se é certo que quero que nem todos ataquem e os que o fazem, o façam de forma segura e bem, quero que ao defender sejamos um bloco compacto. O maior problema nestes escalões é o trabalho incessante que deve ser feito ao nível de técnica individual e em jogo, ao nível do posicionamento. Mas, continuo bastante satisfeito, os miúdos estão-se a portar bem (às vezes é preciso um raspanete) e creio que com o tempo, caminhamos a passos largos para podermos evoluir cada vez mais. Tudo a seu tempo e sem pressas.

terça-feira, 22 de setembro de 2009

O sistema - 1x2x3x1



Antes de mais, devo dizer que é um pouco complexo estar a chamar sistema a este posicionamento em campo. O mais importante nesta primeira fase, é dotar a equipa de conhecimentos base: explicar e ensinar aos miúdos o que devem fazer quando estamos a atacar e quando devemos defender. Para já, é esse o ponto base, o resto vem com o trabalho da época. É um sistema ofensivo, mas se bem trabalhado, pode ser equilibrado.

Analisemos:

- Dois defesas centrais com grandes capacidades para as coberturas defensivas. Neste caso defendo que actuem lado a lado quando temos a bola e que o nosso processo ofensivo comece num dos centrais (sou defensor e procuro fazer isso na minha equipa), e quando não a temos, um marca e o outro tem que sobrar numa posição mais recuada. Bem posicionados e automatizados, evitamos o problema das bolas metidas nas costas da defesa;

- Dois alas com grande pulmão. É importante que pelo menos um deles seja mais robusto que o outro (convicção minha) e que tenham boas capacidades a defender e a atacar, com boa capacidade de chegarem facilmente à área adversária e saberem recuperar quando perdemos a bola. Neste sistema, é absolutamente fulcral;

- Um médio centro: atitude, garra, capacidade de transporte e condução de bola, boa qualidade de passe, no fundo, todas as qualidades de um bom organizador e de um bom trinco (uma mescla dos dois, visto apoiar os centrais e o ponta de lança). É a posição mais importante deste sistema, porque é este jogador que está em todo o lado, tanto apoia os centrais, como o ponta de lança, como os alas, criando linhas de passe. O posicionamento em campo é importantíssimo nesta posição;

- Um ponta de lança: sou defensor de pontas de lança que pressionem logo à saída da bola adversária, permitindo com isso a subida da equipa para mais depressa recuperarmos a posse e termos mais jogadores a atacar. Neste sistema é importante que o ponta de lança seja tecnicista, rápido, que segure bem a bola de costas para a baliza e seja frio na cara do golo.

Individualmente é isto. As acções colectivas vêm com o tempo e com o trabalho, sendo que tenho em mente vários processos que serão trabalhados de forma a que a equipa se mantenha o mais coesa possível. E não, não tenho medo que cá venham ver isto se forem adversários. No campo, o talento sobrepõe-se a qualquer sistema, a qualquer modelo de jogo e o fundamental é acreditar no talento dos meus jogadores e na capacidade que eles têm de compreender o jogo.

Domingos Paciência - Carlos Azenha

Sortes distintas para dois treinadores com maior futuro em Portugal e de quem se diz, devidamente "escoltados" pela armada azul e branca. Nunca prestei grande atenção ao trabalho de Domingos, excepto quando a época passada alcançou a melhor classificação de sempre da Académica e retornou a Braga para um grande desafio pessoal. Sempre gostei da postura de Domingos enquanto treinador. Foi e será sempre um treinador rotulado ao seu clube de coração, o FC Porto, mas tem uma postura no futebol que é de louvar. Começou um pouco aos soluços em Braga, mas neste momento é líder incontestado e, valha a verdade, quem vence em Alvalade e em Braga frente ao campeão nacional, tem sempre mérito. Não tenho a ideia que consiga manter este caudal vencedor, mas Domingos vai vencendo e mantendo-se sempre com a mesma postura: o seu low profile e a sua maneira de estar, são de louvar. Veremos se António Salvador, mesmo quando as intempéries começarem a aparecer, deixa trabalhar o seu treinador. Ficaremos a aguardar.

Carlos Azenha teve sorte diferente. Parece-me que se no início da temporada tem optado pela Académica em vez do problemático Vitória de Setúbal, a sua sorte poderia ter sido outra. Parece-me um homem com bom dom de palavra, com boas convicções e com talento para mostrar, muito mais do que lhe deixaram em Setúbal, onde teve que construir um plantel quase por completo e perante as adversidades estruturais do próprio clube, não teve o sucesso que desejava ter. A sua filosofia é assente na sua célebre declaração: "Quero que a equipa defenda à Arrigo Sacchi e ataque à Van Gaal". Não teve nem uma coisa nem outra, mas estou certo que ao nível do treino, Azenha é alguém que pode dar bastante ao futebol. Não teve sorte nesta primeira tentativa de se afirmar como treinador principal, mas estou certo que, com um projecto mais capaz e com gente que acredite nos treinadores portugueses, pode ter algo a dizer no panorama.

A comunicação



Senão é dos aspectos mais importantes ou mesmo o mais crucial, andará lá perto. Hoje em dia um bom treinador deve ter um bom sentido de comunicação com os seus atletas, saber demonstrar o que pensa, como quer que se façam as coisas, ter um bom sentido de palavra para com o grupo em todos os seus momentos. De nada adianta se até somos bons treinadores, senão conseguimos passar a mensagem. Ora aí está um aspecto que tento melhorar a cada treino, mas que ainda não atingi o ponto que pretendo. Acreditem, e quem é treinador como eu sabe do que falo, não é fácil estar a explicar um exercício que pretendemos, com algumas pessoas a assistir, a tomar nota do que dizemos, etc. etc. Não é fácil. As batidas do coração são claramente diferentes e senão conseguimos transmitir o que pretendemos, é um pouco embaraçoso. Considero que a um nível normal, não tenho grande dificuldade em me expressar, porque gosto de falar, de conversar, de dialogar e o tudo o que daí advém, mas tenho sentido algo a prender-me durante os treinos. Tem dias que falo demais, outros menos, mas ainda não atingi o pico regular que queria e considero ser importante. É importante também estarmos próximos dos jogadores, saber o que eles pensam, procurar a opinião deles e nesse sentido, tenho-me preocupado com o feedback dos atletas em relação a tudo. E nunca esquecer: por vezes uma óptima palestra, é meio caminho andado para um pico motivacional enorme dos jogadores. Por isso digo, não há treinadores mudos, nem treinadores tagarelas: há os que sabem comunicar e passar a mensagem, e os que não sabem. E como todos eles, há que procurar melhorar de dia para dia.

segunda-feira, 21 de setembro de 2009

José Mourinho - Football for kids

Comprei o DVD e posso dizer que não me arrependo nada. É sempre um prazer ver um dos melhores treinadores do mundo a ensinar, a partilhar conhecimentos, a mostrar toda a sua qualidade. Custa a módica quantia de 4,99€ (caríssimo portanto) e durante 95 minutos + extras, podemos ver José Mourinho em todo o esplendor da sua liderança, da sua voz de comando, da sua sabedoria, com exercícios de treino verdadeiramente enriquecedores para qualquer treinador e mesmo para qualquer jogador que queira aprender. É um DVD destinado a jogadores, pais e treinadores e mostra-nos coisas que por vezes nos passam ao lado sem que lhes possamos dar valor. É portanto, José Mourinho no seu melhor. Tem todo o tipo de exercícios: posse de bola, jogo posicional, passe e recepção, finalização simples, finalização composta, etc. Comprem que vale mesmo a pena. Eu já o vi várias vezes.

sexta-feira, 18 de setembro de 2009

Métodos, o clube e as pessoas

Para além de mim, há mais alguém na minha família no futebol, neste caso o meu irmão. Esta semana começaram os seus treinos e como é normal, tenho tido curiosidade para saber como estão as coisas a correr e para perceber os métodos daquele que é, segundo o clube que fiz parte a época passada mas que nesta será meu adversário, o treinador com melhores resultados no clube e com os melhores métodos. Pois bem, uma ditadura sem igual, saltar barreiras que separam as bancadas do relvado, muito trabalho físico sem bola e depois peladinhas a dar com fartura, sem noção das reais capacidades dos atletas para determinadas posições, para além de um trato muito pouco elogiável, é isto que tem sido. Só em jeito de nota adicional, apesar de não me esquecer do trato que me ofereceram a época passada e neste início de época, nada tenho contra o clube em questão. Com as pessoas, é outro assunto. Posto isto, a minha apreciação: não me parece ser assim que se conquiste um grupo de trabalho, com ditadura e muito pouca abertura, para além de um método quanto a mim, teoricamente ultrapassado. Ainda assim, voltando a referir que nada tenho contra o treinador em questão, visto pouco ter privado com ele, estarei atento. Não sou ninguém para estar a criticar pessoas com anos de futebol, mas tenho toda a legitimidade para criticar quem tudo pensa que sabe e que não é susceptível à crítica constructiva. Esses, não me merecem respeito. E os mesmos que não acreditaram em mim, vão ter uma surpresa. Gosto muito de aprender, gosto de evoluir e tenho uma coisa em mim: nem sempre posso estar bem psicologicamente, mas tenho uma fé enorme nas minhas capacidades. E essa é sempre a melhor resposta que posso dar.

quinta-feira, 17 de setembro de 2009

O treino de hoje

Tenho-o previsto, salvo algum acaso de última hora, assim:

- Corrida 5 minutos + Alongamentos;
- Jogo Lúdico + Técnica Individual livre;
- Grupos de 2/3 em losango com bola (condução, passe...);
- Jogo condicionado 5x5 com quatro balizas e outro grupo 4x3 com cada equipa a fazer golo se transportar a bola para lá da linha final de campo;
- Alongamentos finais + Pequena Palestra + Banho.

Vamos ver se dá para o tempo todo, mas creio que bem organizado e agora com a ajuda do meu treinador adjunto, tudo se torna mais fácil.

quarta-feira, 16 de setembro de 2009

Inter x Barça



É o jogo de todas as atenções. A nível táctico é de esperar um jogo extremamente rico. Não é só dentro de campo que se vai disputar o jogo entre as duas equipas, também no banco se vão assumir contornos decisivos. Guardiola e Mourinho, provavelmente os dois melhores treinadores do mundo na actualidade, vão estar frente a frente e é ver como as suas equipas se vão adaptar uma à outra. Ouvi ontem Pep Guardiola (o meu modelo de treinador) referir que o Barça será idêntico a si mesmo, na lenga lenga do toca e passa tão comum e tão bem trabalhada pelos catalães (refiro a título adicional que há muito tempo que não sentia prazer a ver jogar uma equipa como com este Barcelona), mas com uma nova filosofia no ataque por força da troca de Eto'o por Ibrahimovic, também aí um duelo. Espero um Inter em 4-4-2 losango ou num 4-1-3-2 com o trio do meio campo em linha, não assumindo na totalidade o jogo, pois penso que será repartido entre ambos no controlo do mesmo, visto serem duas equipas que trocam muito bem a bola, embora com posturas de posse diferentes. Até nisso será interessante. Do lado catalão, o habitual 4-3-3, ficando a dúvida se Pep colocará a carne toda no assador. Se bem me entendem, Xavi, Iniesta, Messi, Ibrahimovic e Henry. Aposto que Keita será titular sendo um dos interiores e ou Iniesta encosta na faixa esquerda e desloca Henry para o banco, ou o próprio Iniesta, até porque vem de uma lesão, ficará no banco. A minha entrada de Keita no onze, pressupõe um maior combate físico que se pode assistir no meio campo e que ainda é absolutamente desproporcional. No fundo, duas equipas com traços distintos: uma mais física, outra mais técnica, com os melhores treinadores do mundo. Logo ficar-se-á a saber quem levará a melhor, sendo que neste momento, o único vencedor anunciado deste combate, é o próprio futebol.

segunda-feira, 14 de setembro de 2009

Técnica Individual

Muito mais do que todas as acções tácticas do colectivo, nada é mais importante se a nível individual não conseguimos ser positivos e bons e colocar essa qualidade ao serviço da equipa. Acho que nos escalões de formação, a técnica individual, a relação que o jovem jogador deve ter com a bola é essencial, porque a maneira como trabalha agora essas mesmas vertentes, vai-lhe dar respostas para o futuro. É frequente assistirmos a más recepções, maus passes derivados de mau posicionamento de corpo, conduções de bola aos repelões, etc, etc. É por isso que neste início de época tenho insistido e continuarei a insistir sempre que achar pertinente no melhoramento individual das capacidades dos miúdos. Tenho que ter essa perseverança. A qualidade da equipa ao serviço do colectivo será muito maior se individualmente todos os jogadores evoluirem as suas capacidades técnicas. Sei que nem sempre as condições para se efectuar esse trabalho são as melhores, mas estou seguro que não serve de desculpa para qualquer insucesso. Como qualquer treinador, quero que a minha equipa vença e jogue bem e para vencermos e jogarmos bem, é preciso que individualmente tenhamos capacidade para dar a nossa qualidade técnica ao serviço da equipa. Obviamente que neste escalão, os resultados não são o mais importante, mas sim a evolução e o próprio rendimento do atleta. Correcto. Mas estou seguro que o nível de evolução e formação de um jogador será mais positivo e equilibrado se os resultados forem melhores. Não há bons treinadores sem bons jogadores e mesmo aqueles que são bons, precisam de sempre muito mais para chegar lá acima. Por isso entendo sempre que a capacidade técnica individual de um jogador é decisiva para muito do sucesso que pretendemos. É preciso trabalhá-la. É sempre isso que vou tentar fazer, para também eu poder aprender.

Informação

A pedido do Núcleo de Treinadores de Futebol de Aveiro, vou divulgar esta acção de formação a realizar na próxima sexta feira e no próximo sábado para todos os treinadores de futebol, dirigentes, público em geral, etc. Cá fica o programa. Apareçam!

Exmo(s). Sr(s).:
Vem por este meio o Núcleo de Treinadores de Futebol de Aveiro anunciar uma acção de formação por nós organizada, a realizar nos próximos dias 18 e de 19 de Setembro.
Pedimos em especial a todos os orgãos da comunicação social e todos aqueles que recebam este e-mail que nos ajudem no anúncio desta acção publicitando-a da forma que melhor entenderem.
Esta acção é dirigida a todos os treinadores de futebol, árbitros, dirigentes, pais de atletas e público em geral.
O programa previsto é o seguinte:
Dia 18 de Setembro (Sexta-Feira) no Auditório da Junta de Freguesia de Santa Maria de Lamas
 
- 21h15m: Abertura - Drº. Amadeu Albergaria - Vereador da Câmara de Santa Maria da Feira
- 21h30m: Drª. Dulce Gil - Especialista Em Nutrição (Vários Anos de Experiência no Futebol)
- 22h15m: Prof. Sandro Mota do Ginásio São João Sport Center - Importância Da Musculação No Futebol
- 22h45m: José Ferraz - Treinador de Futebol - A importância do exercício técnico no futebol
- 23h30m: Debate
- 24h00m: Encerramento          
                                                                                      
Dia 19 de Setembro (Sábado) no Auditório da Junta de Freguesia de Santa Maria Da Feira de Manhã e Complexo Desportivo Feirense à Tarde
-9h15m: Abertura - Núcleo de Treinadores de Aveiro 
- 9h30m: Drº. Elísio Carneiro - Presidente da Associação de Futebol de Aveiro
- 10h00m: José Pereira - Presidente da Associação Nacional de Treinadores
- 10h15m: Bruno Moura -Treinador de Futebol - 1º Classificado no Curso De 4º Nível PRO UEFA no passado mês de Julho
- 10h45m: Pausa
- 11h00m: Hugo Oliveira - Treinador de Guarda-redes da Selecção Nacional 
- 11h30m: Mestre José Neto 
- 12h00m: Debate
- 12h30m: Almoço    
- 15h00m: Hugo Oliveira e Pedro Roma - Treino de Guarda-redes - Parte Prática
- 16h00m: Bruno Moura - Treino de Futebol - Parte Prática
- 17h00m: Encerramento 
Nota: Almoço para todos os participantes (treinadores de futebol) que se inscrevam atá ao dia 17 de de Setembro por este e-mail ou pelos números de telemóvel 933287788 ou 917563095.  
Saudações Desportivas, pelo Núcleo de Treinadores de Futebol de Aveiro.

domingo, 13 de setembro de 2009

Preocupações

Com a minha curta carreira de treinador ainda no início, tenho tido ao longo de todo o planeamento de treino que tenho feito, cuidado e a preocupação em manter todos os miúdos activos com bola e pouco tempo parados, seja em que exercício for. Procuro que tenham um tempo útil elevado com a bola em cada exercício realizado e que não estejam muito tempo parados. Para isso, por norma coloco os atletas bem distribuídos em filas de dois ou três e nunca mais do que isso. É algo que deve ser pensado. Ainda assim, como ainda não tenho treinador adjunto (devo e espero ter essa solução resolvida em breve), por vezes é complicado e temos que ser activos e o mais rigorosos possível na sessão. Creio que quando tiver uma pessoa a ajudar-me, as coisas se tornarão ainda mais fáceis e seremos sempre e cada vez mais rigorosos.

sábado, 12 de setembro de 2009

Satisfação

Acabo de chegar a casa depois de mais um treino da minha equipa e o título do tópico diz tudo sobre o meu estado de espírito. Fiquei bastante satisfeito com o treino de hoje, com temperaturas elevadas, mas onde os meus miúdos demonstraram uma atitude de enorme esforço e sacríficio, sendo natural que na parte final do treino estivessem mais saturados. Fiquei bastante satisfeito, parece-me que estamos a demonstrar uma boa união de grupo, com espaço para melhorar e hoje, apesar de ter aumentado o grau de dificuldade do treino, penso que os objectivos a que me propus, foram conseguidos. 


Hoje foi assim:
- 5 minutos de corrida + Alongamentos;
- Exercícios do quadrado (com variantes) e do losango;
- Dois grupos divididos: um fazendo 5 x 5 em campo reduzido e outro fazendo finalização, depois ao fim de vinte minutos trocaram, uns fazendo 3 x 3 em jogo condicionado e outros aprimorando a finalização;
- Palestra final + Banho.

quinta-feira, 10 de setembro de 2009

O treino de hoje

- 5 minutos de corrida + Alongamentos;
- Exercícios para desenvolver a técnica individual (passe, recepção orientada, condução, cabeceamento frontal e lateral);
- Jogo condicionado 5 x 5 + 4 x 4 com quatro balizas de tamanho reduzido, para haver uma maior dispersão pelo espaço e maior concentração na parte mais defensiva;
- Toques livres (jogadores recriando-se com bola, mantendo sempre o contacto com a mesma);
- Alongamentos finais - Retorno à calma.


Hoje foi assim. Em uma hora e dez minutos, creio que realizamos uma sessão produtiva e penso que foi do agrado dos atletas. Tenho gostado do comportamento dos meus miúdos - educados, respeitadores e disciplinados. É normal na idade gostarem de falar com o colega do lado e temos que por vezes ser um pouco compreensivos. O objectivo é que os miúdos se divirtam com o treino e não façam do mesmo uma obsessão. E no fundo, aos poucos e poucos, penso que nos vamos conhecendo a todos e a convivência será certamente consolidada. Quanto a mim, hoje senti-me mais solto, mais dinâmico, mas ainda estou a conhecer os cantos do terreno. Com o tempo, vou sempre melhorando. Sábado de manhã há mais.

Os conselhos de quem sabe

Não acho que hajam bons ou maus treinadores, acredito é mais num certo tipo de métodos do que de outros. Acho que um treinador não deve ser nunca dono da razão e deve ser humilde a reconhecer o que pode e deve melhorar. Um treinador para além de bom comunicador, ganha bastantes pontos se for um bom ouvinte, uma pessoa que consiga captar as ideias que vem de pessoas que sabem mais do que nós. Felizmente tenho tido essa ressalva. O processo de ser treinador de futebol é tudo menos fácil, e nem todos os dias são positivos ou estamos bem dispostos. Temos que estar preparados para o imprevisto e sobretudo para a observação alheia. Sabemos que estamos a ser avaliados, julgados, mas temos que saber esquecer tudo isso e concentrar-nos no nosso trabalho. Confesso que estes dias não têm sido fáceis para mim em termos de adaptação, mas sinto que tenho muito espaço de evolução. Sei que tenho que melhorar imensos pormenores, mas também sei que quando me conseguir soltar mais dentro de campo, serei um líder melhor. Por isso, tento captar ideias de quem tem experiência de muitos anos disto e me tenta sempre ensinar mais qualquer coisa. No fundo, é sempre bom quando estamos rodeados de pessoas que nos aconselham e nos ajudam a melhorar. Hoje às seis e meia da tarde, mais um treino, mais uma experiência, mais ilações a tirar.

quarta-feira, 9 de setembro de 2009

Mais um treino...

Não da minha equipa, que é só amanhã, mas dos Infantis A. Estarei a ajudar um colega que tal como eu, ainda não encontrou alguém para colaborar a tempo inteiro e nesse sentido, em virtude também da minha ainda inexperiência, ofereci-me para ajudar. Só é bom para mim, que vou tendo contacto mais no campo, vou aprofundando experiências e vou-me adaptando mais. Acreditem, ser treinador é ser líder, e ser um líder não é fácil, mas é bom. Esta experiência que vamos tendo no campo, faz-nos melhorar, crescer e evoluir. Tenho a certeza que irei evoluir muito e aprender sempre cada vez mais. Tenho pessoas em meu redor que me garantem essa qualidade na evolução, na certeza porém, de que daqui a uns tempos, serei muito melhor treinador do que sou agora. Haja humildade e reconhecimento das nossas debilidades e de todo o potencial dentro de nós.

Esperança

Espero que Portugal vença hoje. Aliás tem mesmo que vencer. Espero também que Carlos Queiroz esteja inspirado e continue a apostar no 4-4-2 em losango (desde que me conheço, não me recordo de ver a selecção actuar assim) e não no 4-3-3, que me parece sempre um sistema incompleto para as características dos jogadores da selecção nacional. Penso que este sistema me parece mais proveitoso, mas deixo um conselho a Queiroz: se quer colocar Simão no onze, que o coloque como 10 (como o fazia e bem no Benfica de Fernando Santos) e que recue Deco para 8 (como chegou a fazer no Barça). Ainda assim, acho que Simão deveria ficar no banco e, partindo do princípio que actuaremos com o losango no meio campo, apostaria em Liedson e Cristiano Ronaldo na frente. Precisamos mesmo de marcar golos e de acreditar que vamos lá. Mas isto na minha opinião, são remendos. Penso que há coisas na selecção que são má demais para serem verdade. No entanto hoje devemos esquecer tudo isso. Em losango ou triângulo no meio campo, nem que seja meio a zero, mas metam-na lá para dentro.

terça-feira, 8 de setembro de 2009

O primeiro treino

Foi extremamente positivo, confesso. Um treino não é só campo e toda a prática que o engloba, é também o que se passa cá fora, desde a preparação do material necessário, às conversas com os miúdos no balneário, é tudo uma aprendizagem importante. Hoje, por ainda não haver definição quanto ao meu treinador adjunto, tive a oportunidade de ter ao meu lado alguém com uma sabedoria e uma experiência de campo, absolutamente notória e essa presença reconfortou-me e no fundo, conseguiu descontrair-me um pouco mais. Aprendi bastante. Sim, porque não pensem que é só chegar ao campo e treinar. Estar no campo e sentir-se observado, é uma sensação que não é fácil e quem não está tão habituado como eu, nota bem. Mas senti-me muito bem, os miúdos portaram-se bem, creio que realizamos um treino proveitoso à base de técnica individual, que é o mais importante nesta fase, visto que só depois podemos partir para algo mais complexo e abrangente. Tinha planeado um treino não só com o uso de técnica individual, mas achamos que nesta altura, o melhor é começar por baixo e ensinar aos miúdos uma recepção orientada, um passe, uma condução de bola, o cabeceamento, etc, etc. Senti-me bem. O discurso é importante e a motivação igualmente. É preciso entrar na cabeça dos miúdos e perceber se eles estão a entender ou não, mas na generalidade, correu bem. Venham mais.

Preparação


Tudo a postos para o treino de logo. A preparação do treino deve ser uma das virtudes do treinador. No entanto, deve estar preparado para todas as eventualidades e não dar nada como concreto. Imprevistos acontecem. Ainda assim, se tudo correr como tenho planeado, o treino está devidamente preparado e organizado para logo. Espero que tudo corra bem.

Apresentação

Hoje é um dia especial e importante para mim e naquilo que pretendo concretizar. Dou hoje o primeiro treino como treinador principal de uma equipa de futebol. Há uns meses atrás, diria que era um sonho, hoje em dia é uma realidade e se acontece, devo-a agradecer a quem me deu esta oportunidade. Espero não defraudar ninguém e continuar a ter sempre a mesma vontade de aprender, que me fez entrar em Abril no curso de treinadores de futebol do I Nível, cujo aproveitamento foi considerado muito positivo. Se há um ano, era apenas um director de uma equipa de futebol, hoje serei treinador de futebol, um dos meus maiores sonhos desde que me conheço e desde que o futebol, começou a ser uma das minhas grandes paixões. Que me sigam, aqueles que acreditam em mim e naquilo que posso dar, evoluir e aprender. Hoje é um dos dias mais marcantes da minha vida. Às seis e meia, todas as batidas do meu coração serão mais fortes, mas tenho a certeza que colocarei todo o meu entusiasmo ao serviço dos meus. 7 de Setembro de 2009, o primeiro dia desta caminhada longa e que se espera de sucesso. Obrigado a todos os que me ajudaram a concretizar este sonho. Não esqueço quem me faz bem e essas pessoas sabem-no.
Vamos a isto!

Um abraço,

José Carlos Monteiro.